Contra o corte da ligação fluvial entre a Trafaria, Porto Brandão e Lisboa

No dia 24 de Março, os militantes do PCP, organizados na Trafaria, participaram em mais uma iniciativa de contato com a população, na sequência da inaceitável decisão da Administração da Transtejo, que perante o constrangimento provocado pelo aluimento de terras junto ao terminal de Belém, decidiu cortar a operação fluvial, em vez de deslocar operação para o terminal do Cais do Sodré, que tem todas as condições para receber estes navios.

A Administração da empresa e o governo demonstram que não têm respeito pelos utentes nem pelos seus direitos, e mais uma vez, por ausência de tomada das medidas adequadas, põe em causa a fiabilidade do serviço público fluvial.

O PCP exige ainda que o governo determine que a Administração do Porto de Lisboa faça de imediato as obras na Trafaria, junto ao terminal, de modo a que esta situação que já se arrasta há largos meses sem ser resolvida não se agrave ao ponto de colocar também em causa a operação neste terminal.

Os militantes do PCP da Trafaria apelaram aos utentes para que manifestem o seu descontentamento e desenvolvam a luta pela defesa do seu direito ao transporte fluvial, reafirmando que podem contar sempre com a intervenção do PCP em defesa das suas justas aspirações.