O candidato do Partido Social Democrata à Presidência da Câmara Municipal de Almada, Nuno Matias, foi igualmente ouvido pela reportagem transmitida pela RTP no Jornal da Noite de 9 de setembro.

Acompanhado por uma das mais destacadas responsáveis pela sinistra política de desastre e miséria imposta a Portugal e aos Portugueses pelo Governo do PSD/CDS-PP, e ele próprio diretamente envolvido nessa política enquanto Deputado na Assembleia da República durante aquele Governo, escolheu o Bairro do 2º Torrão, na Trafaria, para fazer campanha eleitoral.

A este propósito, a CDU relembra os Almadenses que o Governo do PSD/CDS-PP pretendeu teimosamente impor à Trafaria, aos Trafarienses, a Almada e aos Almadenses a construção de um terminal de contentores na Vila da Trafaria.

Esta pretensão do Governo da direita, a qual Nuno Matias e Maria Luís Albuquerque apoiaram no exercício dos cargos que ocupavam e são por isso amplamente responsáveis, bloqueou os projetos municipais para o desenvolvimento da Trafaria, que incluíam o realojamento dos residentes no Bairro do 2º Torrão.

Foi este mesmo Governo de Maria Luís Albuquerque e Nuno Matias que nomeou a Administração do Porto de Lisboa, proprietária de parte dos terrenos onde se encontra instalado o Bairro do 2º Torrão, e que cobra rendas a moradores ali instalados em condições precárias.

Foi também o Governo dos dois candidatos do PSD que no auge da crise recusou concretizar um cêntimo que fosse de investimento no Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), ao mesmo tempo que decidia, de forma absolutamente insensível e brutal, o aumento das rendas sociais, conduzindo em muitas situações ao despejo de famílias arrendatárias do Estado, que deixaram de ter condições para suportar as rendas que o IHRU em nome do Governo lhes exigia.

E são estes dois candidatos do PSD, responsáveis diretos pela política de violenta agressão aos portugueses que se traduziu de forma particularmente dura ao nível da habitação, que veem agora, em plena campanha eleitoral para a eleição dos órgãos do Poder Local Democrático, falar com o maior descaramento e sem rubor, na alegada “política de exclusão” da gestão da CDU nas Autarquias do Concelho de Almada!

A estes dois candidatos, a CDU relembra que foi a sua gestão, o seu trabalho, a sua perseverança e a sua profunda ligação aos valores mais profundos do humanismo e da solidariedade, que permitiram, ao longo do mandato dos órgãos autárquicos que agora termina, em articulação com as instituições e a população residente no território, em especial com a Comissão de Moradores, fosse possível assegurar os suportes básicos de vida, nomeadamente água e luz aos moradores do 2º Torrão, fosse possível o realojamento em condições condignas 250 famílias oriundas de habitação degradada, fosse possível impedir, pelo desenvolvimento do Plano Municipal de Emergência Social de Almada, que mais de 1000 outras famílias fossem despejadas dos seus lares por razões de insolvência e incapacidade económica, e fosse possível permitir que o próprio IHRU pudesse utilizar 500 mil euros de fundos comunitários que cabiam à autarquia local, para que aquele Instituto possa concretizar obras urgentes que deveria suportar por recurso a fundos próprios e de outras origens.

Sem mais comentários!

https://www.rtp.pt/noticias/politica/cdu-bate-se-para-renovar-maioria-absoluta-em-almada_v1026118